O Brasil perdeu nesta quinta-feira (20/1) um dos maiores nomes da música popular brasileira: a cantora Elza Soares. Ela morreu, nesta quinta-feira (20/1), aos 91 anos de idade, de causas naturais em sua casa. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa da cantora.

Nascida no subúrbio do Rio de Janeiro, em uma favela onde hoje está situada Vila Vintém, Elza da Conceição Soares é filha de um operário com uma lavadeira. Ela começou a cantar com o pai, que gostava de tocar violão nas horas vagas.

A trajetória na música começou nos anos 1950, quando a carioca fez o seu primeiro teste na Rádio Tupi, no programa de calouros Ary Barroso, tendo ficado em primeiro lugar.

Em 1959 foi contratada para trabalhar na Rádio Vera Cruz e convidada a atuar no Festival Nacional da Bossa Nova. Três anos mais tarde, foi a representante do Brasil na Copa do mundo no Chile. Era o início de uma trajetória invejável que levou Elza a ser reconhecida nos anos 2000 pela BBC, em Londres, como a Melhor Cantora do Universo.

Ao longo de sete décadas, Elza presenteou o público com vários sucessos, entre eles Dentro de Cada Um, Exú nas Escolas, A Carne, Mulher do Fim do Mundo e Língua.

Seu penúltimo disco, A Mulher do Fim do Mundo, lançado em 2015, foi reconhecido pelo The New York Times como um dos melhores álbuns de 2016.

Vida amorosa

Elza teve a infância interrompida cedo, aos 12 anos, por causa de um casamento arranjado. Dessa relação nasceu João Carlos, que veio a falecer em decorrência de uma doença. Com apenas 15 anos, Elza perdeu o seu segundo filho, que também morreu precocemente. O casamento foi abruptamente interrompido com a morte do marido, deixando a cantora viúva aos 21 anos. Aos 27 anos, já era mãe de cinco crianças.

A Mulher do Fim do Mundo também é bastante lembrada pelo relacionamento intenso e conturbado com Garrincha. O namoro com o famoso jogador de futebol começou de forma clandestina porque ele era casado. Durante muito tempo, a então recém-cantora foi perseguida, acusada de ter sido a amante que deu fim ao matrimônio do ídolo.

Depois de algum tempo, Garrincha se divorciou e casou-se com Elza, com quem teve um filho e manteve uma relação por mais de dezessete anos. O filho, Júnior, faleceu em um acidente de carro em 1986.

Depois da aposentadoria dos campos, o atleta tornou-se alcoólatra e passou a agredir fisicamente Elza, que apesar de em uma ocasião ter chegado a ficar com dentes quebrados, não denunciou o caso. Dessa experiência de violência doméstica, muitos anos mais tarde, surgiu a canção Maria da Vila Matilde, onde a cantora canta: “Cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim”

Elza publicou em 1969 um livro intitulado Minha vida com Mané, onde conta detalhes da história de amor que viveu com Mané.

Ela descansa exatos 39 anos após o ex-marido, que faleceu em 20 de janeiro de 1983, vítima de cirrose hepática, após sofrer um coma alcoólico no Rio de Janeiro.

 

FONTE: https://www.metropoles.com/entretenimento/musica/relembre-a-trajetoria-de-elza-soares-uma-das-maiores-vozes-do-brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui