Instituto Butantan, em São Paulo, anunciou, nesta sexta-feira (26), que está desenvolvendo a Butanvac, nova candidata a vacina contra a Covid-19. A vacina é a primeira, contra qualquer doença, a ser desenvolvida completamente no Brasil.

Segundo o diretor do instituto, os testes da vacina no país poderão começar em abril.

Nesta reportagem, você vai entender, ponto a ponto, alguns detalhes sobre a Butanvac:

  1. Por que a Butanvac é relevante? Faz sentido ter uma vacina só daqui a meses?
  2. Quando começarão os testes? Quem vai poder se candidatar?
  3. As previsões de conclusão dos estudos são realistas?
  4. Como será a vacina? Qual tecnologia ela vai usar?
  5. Quantas doses a vacina terá?
  6. A vacina será segura?
  7. A vacina vai funcionar contra as novas variantes?
  8. Como o Butantan irá organizar os testes em humanos, já que idosos já estão sendo vacinados? Há questões éticas envolvidas?

    1.Por que a Butanvac é relevante? Faz sentido ter uma vacina só daqui a meses?

    A pesquisadora Ester Sabino, da USP, que liderou a equipe a fazer o primeiro sequenciamento genético do coronavírus no Brasil, avalia que uma vacina nacional é importante justamente porque é necessário pensar a longo prazo no combate ao vírus – inclusive para futuras epidemias.

    “É muito importante ter uma vacina nacional porque o problema ainda não acabou e, para o coronavírus, vai ser necessário pensar a longo prazo”, explica.

    “Nos últimos 20 anos, este é o terceiro coronavírus que entra na espécie humana”, lembra Sabino. “Tudo indica que podem acontecer outras transmissões, e a gente precisa estar preparado para responder a essas novas epidemias que virão. Temos que começar agora desenvolvendo novas vacinas que, se não forem usadas nessa pandemia, serão usadas nos problemas que certamente virão no futuro”.

    O infectologista Leonardo Waissmman, da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), destaca que, com uma vacina totalmente nacional, o Brasil não dependerá de importação de matéria-prima, conhecida como Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA). O IFA utilizado nas vacinas que estão sendo testadas e aplicadas no Brasil até o momento são importados da China.

    “Toda tecnologia nova e brasileira é bem vinda, principalmente quando se trata de tecnologia nova de imunizantes, como no caso do coronavírus. A Butanvac vai usar matéria-prima brasileira e utilizar tecnologia semelhante à da vacina contra a gripe, que já é produzida pelo próprio Butantan. É diferente de dependermos de insumos de fora do Brasil”, avalia.

    Waissmman lembra, ainda, que não temos vacinas suficientes no país e que a Butanvac já considera a variante identificada pela primeira vez em Manaus.

    “[A Butanvac] tem relevância, principalmente porque as vacinas que estão no país ainda estão em quantidade escassa. Por estar sendo produzida nacionalmente, essa vacina também considera nossa realidade”.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui